Na Prática  

Saúde

28/03/2013

Mulheres conscientizam gestantes e cresce o número de partos normais
A doula atua como ligação entre equipe médica e paciente

Débora de Almeida Carvalho

Uma mulher que tem o acompanhamento de uma doula, profissionais especializadas em assistir  as gestantes no momento do parto,  conhece melhor seu próprio corpo e o trabalho de parto que a espera. Muitas gestantes optam pela cesariana por acreditar que não estão preparadas, que o momento do parto será menos dolorido e o bebê estará mais seguro.  O trabalho das doulas consiste em informar e orientar as gestantes de que seu corpo é naturalmente preparado para dar à luz e a intervenção médica através da cesárea tem que ser usada apenas em casos específicos.

De acordo com o portal do Ministério da Saúde, a incidência de morte materna associada à cesariana é 3,5 vezes maior do que no método natural, que apresenta menos complicações no pós-operatório e mostra-se financeiramente mais vantajoso para a mãe. Pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o método natural custa cerca de R$ 290 e a cirurgia cesariana por volta de R$ 400. Essa diferença é mais difícil de ser observada nos hospitais particulares, já que a diária varia de acordo com o hospital.

A ginecologista e obstetra Jussara Pasquali é conhecida no meio como uma ‘médica parteira’, por deixar claro que, a primeiro momento, todas as mulheres podem sim ter um parto normal. ‘Eu acompanho a grávida durante todo o período do trabalho de parto, que pode durar até 24h. Para alguns obstetras que trabalham em dois ou três hospitais essa rotina é inaceitável’, explica Jussara.

A atividade de doula foi incluída  no Cadastro Brasileiro de Ocupação desde janeiro desse ano, mas ainda não possui um código de ética estruturado como já existe nos Estados Unidos. Para se tornar doula a profissional precisa ter o ensino médio completo e fazer um curso que aqui em Brasília é oferecido pela ReHuNa (Rede de Humanização do Parto e do Nascimento). Cerca de 30 mulheres tornam-se doulas por semestre em Brasília. O Ministério da Saúde já capacitou 350 mulheres em 13 cursos espalhados pelo Brasil. Essa medida faz parte do Programa de Humanização no Pré-Natal e Nascimento, instituído pelo Ministério em 2000.

Depois do nascimento as doulas costumam fazer mais três visitas as novas mães para dar orientações sobre amamentação, banho e cuidados com o bebê, além de conversar sobre a retomada da vida sexual do casal.

 

 

 

 

  Débora de Almeida

Dra. Jussara Pasquali tenta convencer suas pacientes a fazer parto normal
 


Engenheiro cria fórmula que promete ensinar inglês em até 3 meses
Body mod: a arte de modificar o corpo
Se beber, não ligue!
Médicos recomendam que as mulheres evitem usar calcinha
Antibióticos podem interferir na ação de anticoncepcionais
Site de camisetas é sucesso na internet
Não durmo sem pegar no dicionário e estudar inglês, diz o guia Waldeck